O Ministério Público Federal anunciou na tarde desta sexta-feira (14) que o ex-presidente e presidiário, Lula, virou réu pela lavagem de R$ 1 milhão em negócio do grupo brasileiro ARG no país africano da Guiné Equatorial.

Na denúncia, a força-tarefa da Operação Lava Jato em São Paulo, aponta que os valores foram dissimulados na forma de doação ao Instituto Lula. Para as autoridades policiais o pagamento teria sido feito depois que o petista, ‘usufruindo de seu prestígio internacional, influiu em decisões do presidente Teodoro Obiang (da Guiné Equatorial)’.

Além de Lula,  também virou réu o dono do grupo empresarial ARG, Rodolfo Geo, que foi denunciado por lavagem de dinheiro e por tráfico de influência em transação comercial internacional.