Desde a administração do ex-prefeito Michel Hagge, tenho defendido a incorporação da Comutran pela Secretaria de Transportes. Nada contra os funcionários daquela autarquia, mas apenas como medida de economia a racionalização das atividades da Comutran. O custo-benefício da Comutran, da forma como ela é hoje estruturada, é zero, servindo apenas de cabide de empregos para os apaniguados do prefeito, a um custo financeiro altíssimo. Se incorporada à secretaria de transportes, acabam-se os desvios de verbas, o enriquecimento ilícito, os altos salários, a contratação de parentes, as locações de veículos de amigos e outras ‘coisitas’ erradas que a cidade toda dá conta. Se a saída de Geovani teve o intuito ‘moralizador’, a hora é esta.