Durante o debate na Band, na noite desta quinta-feira (16), o candidato ao governo do estado pelo PSOL,  Marcos Mendes, refutou a ideia de que poderia repetir, na Bahia, a dobradinha que atualmente Guilherme Boulos (PSOL) e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), fazem na disputa pela Presidência da República. “Não temos política de boa vizinhança com Rui Costa (PT). Aqui é diferente, pois o golpe continua”, comentou.

Segundo o candidato, o PSOL não poderia marchar com o PT na Bahia, por conta das alianças que o governador candidato à reeleição escolheu fazer. “Quem comanda o governo na Bahia é o PSD na figura de Otto Alencar e agora Angelo Coronel [candidato ao Senado na Chapa de Rui]. Quem comanda também é o PP de João Leão e Mário Negromonte. Você não vai transformar a sociedade fazendo esse tipo de aliança fisiológica com partido que está tomando conta da Bahia”, discursou Mendes.

Durante o processo de formação da chapa de Rui Costa, o PSD foi uma voz bastante ativa em seus pleitos. Além de conseguir que Angelo Coronel (PSD) ocupasse a vaga que disputa o Senado no lugar de Lídice da Mata (PSB), a legenda presidida por Otto Alencar aumentou o tom contra o PT na formação da proporcional.