maio 2018
D S T Q Q S S
« abr   jun »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  
Acesse o Sudoeste Hoje via Mobile em qualquer lugar!
  • jose´antonio: Este vieram em um veiculo co placa de salvador, venham verificar para depois não chorar o leite...
  • jose´antonio: Aqui na rua Macarani chegaram um carro lotado de pessoas de Salvador, o mesmos furaram a barreira e a?
  • Servidor público: Sr Davi,o Sr sabe informar sobre o decreto do Estado? Se as referidas repartições publicas tem...
  • Davi Ferraz: ‘Servidor Público’, as repartições públicas seguem as determinações de cada esfera de...
  • Servidor público: Repartições públicas como fórum, TRT, Ponto Sac,como fica com o decreto da prefeitura?
  • Sandra: Os militantes petistas estão irritados dizendo que tem politiqueiros fazendo pânico alarde, creio que os que...
  • FALA SERIO: Fechar apenas parte do comércio penaliza apenas parte dos comerciantes. Vejo que lojas de médio e pequeno...
  • Vergonha!: Inrresponssável, em uma época dessa de vírus, fazer reunião partidária, já acha pouco, muitos têm esse...
  • José: Vai chegar um momento que todos vão ter que sair para trabalhar: com vírus, ou sem vírus. O país não vai...
  • COMO SE IMPLANTA O COMUNISMO: COMO SE IMPLANTA O COMUNISMO: O governo diz ao povo fique em casa que é pelo bem de...
  • VIRAMOS IMORTAIS POR OUTRAS DOENÇAS: O Milagre do Coronavírus! Hoje, conversando com meu irmão Ozorio, que também é...
  • Correto: Esse pessoal precisa ser monitorado urgentemente para o bem deles e o bem das pessoas que eles terão contato.
  • Falo a verdade: Se cada um desse que quer reabrir o comercio pegasse o vírus ficasse sem.sintomas e passasse pros...
  • MAIS UM FORTE MOTIVO: Depois que esse senhor esteve circulando em vários pontos da cidade de Itapetinga visitando e...
  • Anonimo: Abrir o comércio, só vai aumentar o risco de contaminação, não sou a favor da abertura do comércio. Já diz o...
leitores online


GREVE DOS CAMINHONEIROS E FEDERAÇÃO ASSIMÉTRICA, POR DR. HARRISON LEITE

Mais uma vez a União demonstra desprezo ao pacto federativo. Sempre que chamada a conciliar conflitos envolvendo a elevada carga tributária, a União não teme em fazê-lo ao custo de recursos estaduais e municipais. Foi assim na elevada crise de 2008 e agora na crise instalada pela paralisação dos caminhoneiros.

Em 2009, a União optou por reduzir o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) sobre automóveis, eletrodomésticos da linha branca e bens de capital. Também criou novas alíquotas de Imposto de Renda (IR). Tocou justamente nos dois impostos representativos da maior receita dos Estados e dos Municípios, pois compõem, dentre outros, o Fundo de Participação dos Estados (FPE) e o Fundo de Participação dos Municípios (FPM). O IR é repartido em 49% e o IPI em 59% com Estados e Municípios. Nesse impostos, a União fica em média com a metade de sua receita e por isso não hesita em reduzi-los quando é “obrigada” a diminuir a carga tributária.

Agora faz o mesmo em relação à Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico sobre Combustíveis (CIDE-Combustíveis) sobre o óleo diesel. Dentre todas as contribuições, espécie de tributo que a União tem competência exclusiva para criar, com raras exceções, a CIDE-Combustíveis é a única contribuição de receita compartilhada. Todas as outras contribuições são de receita exclusiva da União, a exemplo do PIS, COFINS, CSLL, INSS, SAT, dentre outras. E esse compartilhamento se deu após árdua luta municipalista.

De início, a Emenda Constitucional (EC) n. 42/2003 inseriu o inciso III no art. 159 da Constituição Federal e fixou um repasse de 25% da arrecadação do tributo. Deste montante, 75% eram destinados aos Estados e Distrito Federal e 25% a seus Municípios. Após, com muita insistência dos prefeitos e governadores, a EC nº 44/04 alterou o percentual do tributo a ser distribuído para 29%, mantendo a partilha de 75% do montante para Estados e Distrito Federal e 25% para os Municípios.

Embora sendo uma pequena receita, tinha a sua relevância, mormente no início da sua instituição, quando o Governo Federal cobrava valores maiores. No entanto, desde que passou a ser repartida, a União “perdeu” interesse na sua cobrança. Ainda em 2001, a CIDE chegou a custar R$ 280 por m3 de gasolina e R$ 70 por m3 de diesel, sendo paulatinamente reduzida por outros decretos até ser absurdamente reduzida a zero em 2012. Em 2015 foi restaurada em R$ 100,00 por m3 de gasolina e R$ 50,00 por m3 de diesel. Agora, o governo decide reduzir a zero novamente a sua cobrança para o óleo diesel.

Deixando-se de lado a razão justificadora da redução, o certo é que mais uma vez a União “faz cortesia com chapéu alheio”. Por menor que seja a receita compartilhada, trata-se de recurso importante para Estados e Municípios já combalidos por quedas constantes de receita. Apenas a título de exemplo, o Município de Itabuna/BA tinha previsão de receber R$ 334.000,00 desse tributo em 2018. Com a medida tomada, haverá redução drástica no repasse.

E nem se cogite buscar no Judiciário o reparo do impacto financeiro. Isto porque, quando instado a se manifestar sobre a redução do IPI e do IR em isenções bilionárias, o Supremo Tribunal Federal afirmou ser constitucional a redução das suas alíquotas, pouco importando o impacto nas contas municipais e estaduais, pois tratam-se de impostos de competência da União, muito embora de receita compartilhada (RE 705.423, julgado em 2016). Para o STF, os municípios e os Estados só têm direito a um percentual daquilo que foi arrecadado. Portanto, se não houve arrecadação, não há o direito à participação. Igual sorte haverá no caso da CIDE-Combustíveis acaso seja judicializado.

Com isso, a União intensifica a cobrança nas contribuições que mais arrecadam, PIS e COFINS, nada diminuindo na sua incidência sobre os combustíveis, até porque toda a sua receita só tem um destino: os cofres federais.

Agindo assim, desfigura-se mais uma vez a federação brasileira, e a propalada autonomia financeira dos entes federativos, prevista na Constituição Federal, aos poucos resta mitigada por medidas que concentram os recursos financeiros na União, e o pouco que é repartido com Estados e Municípios torna-se justamente o alvo da União para a prática de políticas desonerativas.

* Dr. Harrison Leite é professor de Direito Tributário na Faculdade de Direito da Ufba

1 resposta para “GREVE DOS CAMINHONEIROS E FEDERAÇÃO ASSIMÉTRICA, POR DR. HARRISON LEITE”

  • A PETROBRAS É REALMENTE NOSSA? says:

    O Brasil apesar de ser um grande produtor e consumidor de petróleo não consegue ainda ser autossuficiente, ou seja, nosso País ainda precisa importar em torno de 20% desse produto para atender suas necessidades internas.

    Se a afirmação acima for verdadeira ficam então duas perguntas a serem respondidas:

    A) Por que então o Brasil exporta petróleo bruto para outros países e vende também gasolina pura e refinada para países vizinhos como a Bolívia, Argentina, Paraguai e Uruguai?

    B) Não seria mais correto ficar com todo o nosso petróleo e refiná-lo aqui mesmo em nosso território em favor dos brasileiros e só exportar se houver excedente desse produto?

    O Brasil produz 80% do petróleo que necessita a um CUSTO DE PRODUÇÃO equivalente a U$ 10,0 (dez dólares) por barril e importa 20% para completar suas necessidades com CUSTO DE AQUISIÇÃO em torno de U$ 60,0 (sessenta dólares) por barril.

    Considerando essa segunda afirmativa apresento mais uma questão: Por que o governo brasileiro tem que considerar somente os ALTOS CUSTOS DO PETRÓLEO praticados no exterior para fixar os preços dos combustíveis que consumimos aqui no Brasil se compramos somente 20% desse produto?

    Dezenas de países do mundo compram quase 100% do petróleo que necessitam de países grandes produtores e nesses países os combustíveis são vendidos, em média, pela metade dos preços em relação aos valores praticados no Brasil. E nesses países importadores nem produzem petróleo como a nossa Petrobras.

    Será que a culpa é só dos altos impostos praticados pelo Brasil?

    O candidato a presidente do Brasil JAIR MESSIAS BOLSONARO único a se manifestar publicamente nesse movimento grevista dos caminhoneiros, declarou em entrevista que a culpa é também da forma de cálculo que a PETROBRAS pratica para estabelecer os preços dos combustíveis. Segundo Bolsonaro a forma correta seria efetuar dois cálculos, de acordo com a origem desse óleo: o primeiro cálculo sobre o custo do petróleo produzido no Brasil a somente DEZ DÓLARES por barril (80% do volume consumido) e, o segundo cálculo, sobre os 20% do petróleo que o Brasil importa do exterior a SESSENTA DÓLARES. Ou então fazer um cálculo pela MÉDIA desses dois custos tão diferenciados.

    Segundo Bolsonaro a redução de impostos sobre produtos derivados do petróleo e de vários outros de primeira necessidade tem que ser metas prioritárias para os futuros governantes de Estados e do Brasil. Afinal, a PETROBRAS é nossa ou não?

Deixe seu comentário



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia