maio 2018
D S T Q Q S S
« abr   jun »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  
Acesse o Sudoeste Hoje via Mobile em qualquer lugar!
  • Correto: Toda população tem o político que elegeu e merece… Espero que nas próximas eleições a população pense...
  • BIA: O VEREADOR DIGA DIGA ESTA CULPANDO A PRESIDENTE NAARA DO VÍDEO DIVULGADO NA MÍDIA (SEGUNDO ELE PAGA PELA GESTÃO...
  • GANGORRA ELEITORAL: Engraçado é que os conhecidos fajutos Institutos de pesquisas eleitorais sempre estão divulgando...
  • Leonardo Dias Santos: O pleno funcionamento dos postos de saúde resgata não só a saúde do paciente,mas também a sua...
  • Fernando: Rui cogita ser presidente em 2022 se Lula autorizar o nome dele para candidatar , sem aval de Lula Rui pode...
  • Armando N Queiroz: Meus sinceros sentimentos e votos de pesar aos
  • Anonimo: Bem feito. Quem mandou votar nele?
  • BOLSONARO TEM RAZÃO, DE NOVO.: As BR´s (rodovias federais) por falta de adequadas manutenções estavam em sua grande...
  • FLORÊNCIO FILHO: Por todos os empregos e demais benefícios que serão gerados em nossa terra, só posso dizer: Deus...
  • Anonymous: Muito bom, agora falta fazer um shopping centeraqui.
  • Bay: Onde Será posto o currículo
  • Admilson: Itapetinga nunca esteve tão próspera anos ouvia falar em terra firma é gado forte,mais a revolução...
  • Fernando: O vereador está dizendo que esse servidor Moisés foi a mando do prefeito Rodrigo Hagge , o vereador cospe...
  • Laude Oliveira Dias: Estou aterra com a partida súbita da minha amiga tão querida. Que o Espírito Santo conforte os...
  • Bia: Olá, boa noite sr. Davi Primeiramente obrigada por nos manter informados. Por gentileza, nos informe através dos...
leitores online


:: 26/maio/2018 . 18:26

CONQUISTA: EX-PREFEITO GUILHERME MENEZES É CONDENADO POR FRAUDE EM LICITAÇÃO

Em sentença proferida na sexta-feira (25), o juiz Ricardo Frederico Campos, da 1ª Vara da Fazenda Pública local, condenou o ex-prefeito de Vitória da Conquista, Guilherme Menezes (PT), a  ressarcir aos cofres públicos ao município o valor de R$ 613.500,00, em ação acerca de irregularidades praticadas em licitação aberta durante sua gestão, em 2011, que resultou na contratação da empresa de transporte público Cidade Verde.

Vencedora do certame pelo valor de R$ 6.135.000,00, a prestadora de serviço de transporte coletivo Cidade Verde foi condenada por fraudar documentos públicos, o que teria facilitado o seu ingresso na licitação, da qual saiu vencedora, após ‘desistência’ da 2ª colocada. A pena para a Cidade Verde foi a perda do valor total da oferta, R$ 6.135.000,00, em favor do município.

A Cidade Verde é acusada atualmente por prestar péssimos serviços de transporte coletivo à população de Vitória da Conquista e deve perder o contrato com o município, por decisão da justiça.

O ex-prefeito Guilherme Menezes é lotado em um gabinete do governo da Bahia em Brasília.

Informações  Bahia Noticias 

CAATIBA: TÂNIA RIBEIRO PARTICIPA DA MARCHA EM DEFESA DOS MUNICÍPIOS EM BRASILIA

Entre os dias 21 e 24 de maio, os prefeitos baianos estiveram desembarcados em Brasília para participarem da XXI marcha anual que teve como maior objetivo a defesa em prol dos municípios. Dentre as diversas pautas foi destacada na programação da Marcha, a visita à Presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ministra Carmen Lúcia, onde foi entregue os baixo- assinados em que gestores recolheram assinaturas entre os seus representantes locais e da população em favor da redistribuição dos royalties do petróleo entre os municípios.

O evento organizado pela UPB- Confederação Nacional dos municípios, já é Considerado como um dos maiores eventos políticos do Brasil. A edição deste ano contou com a presença de mais de 5 mil participantes entre prefeitos, secretários municipais, vereadores, senadores, governadores, parlamentares estaduais e federais, ministros e do presidente da República.

A prefeita de Caatiba Tânia Ribeiro participou do ato em companhia do vice-prefeito Paulo Paiva e do presidente da Câmara de vereadores de Caatiba Ronaldo Santos, que além da atuação na mobilização municipalista, a comitiva de Caatiba usou da oportunidade para articular ações em diversos seguimentos de interesse do município em encontros importantes com o deputado estadual José Nunes e com o presidente da UPB Eures Ribeiro fazendo desta mobilização democrática um momento oportuno para novos olhares na gestão pública. Confira mais fotos >>>  Continue reading “CAATIBA: TÂNIA RIBEIRO PARTICIPA DA MARCHA EM DEFESA DOS MUNICÍPIOS EM BRASILIA” »

GREVE DOS CAMINHONEIROS E FEDERAÇÃO ASSIMÉTRICA, POR DR. HARRISON LEITE

Mais uma vez a União demonstra desprezo ao pacto federativo. Sempre que chamada a conciliar conflitos envolvendo a elevada carga tributária, a União não teme em fazê-lo ao custo de recursos estaduais e municipais. Foi assim na elevada crise de 2008 e agora na crise instalada pela paralisação dos caminhoneiros.

Em 2009, a União optou por reduzir o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) sobre automóveis, eletrodomésticos da linha branca e bens de capital. Também criou novas alíquotas de Imposto de Renda (IR). Tocou justamente nos dois impostos representativos da maior receita dos Estados e dos Municípios, pois compõem, dentre outros, o Fundo de Participação dos Estados (FPE) e o Fundo de Participação dos Municípios (FPM). O IR é repartido em 49% e o IPI em 59% com Estados e Municípios. Nesse impostos, a União fica em média com a metade de sua receita e por isso não hesita em reduzi-los quando é “obrigada” a diminuir a carga tributária.

Agora faz o mesmo em relação à Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico sobre Combustíveis (CIDE-Combustíveis) sobre o óleo diesel. Dentre todas as contribuições, espécie de tributo que a União tem competência exclusiva para criar, com raras exceções, a CIDE-Combustíveis é a única contribuição de receita compartilhada. Todas as outras contribuições são de receita exclusiva da União, a exemplo do PIS, COFINS, CSLL, INSS, SAT, dentre outras. E esse compartilhamento se deu após árdua luta municipalista.

De início, a Emenda Constitucional (EC) n. 42/2003 inseriu o inciso III no art. 159 da Constituição Federal e fixou um repasse de 25% da arrecadação do tributo. Deste montante, 75% eram destinados aos Estados e Distrito Federal e 25% a seus Municípios. Após, com muita insistência dos prefeitos e governadores, a EC nº 44/04 alterou o percentual do tributo a ser distribuído para 29%, mantendo a partilha de 75% do montante para Estados e Distrito Federal e 25% para os Municípios.

Embora sendo uma pequena receita, tinha a sua relevância, mormente no início da sua instituição, quando o Governo Federal cobrava valores maiores. No entanto, desde que passou a ser repartida, a União “perdeu” interesse na sua cobrança. Ainda em 2001, a CIDE chegou a custar R$ 280 por m3 de gasolina e R$ 70 por m3 de diesel, sendo paulatinamente reduzida por outros decretos até ser absurdamente reduzida a zero em 2012. Em 2015 foi restaurada em R$ 100,00 por m3 de gasolina e R$ 50,00 por m3 de diesel. Agora, o governo decide reduzir a zero novamente a sua cobrança para o óleo diesel.

Deixando-se de lado a razão justificadora da redução, o certo é que mais uma vez a União “faz cortesia com chapéu alheio”. Por menor que seja a receita compartilhada, trata-se de recurso importante para Estados e Municípios já combalidos por quedas constantes de receita. Apenas a título de exemplo, o Município de Itabuna/BA tinha previsão de receber R$ 334.000,00 desse tributo em 2018. Com a medida tomada, haverá redução drástica no repasse.

E nem se cogite buscar no Judiciário o reparo do impacto financeiro. Isto porque, quando instado a se manifestar sobre a redução do IPI e do IR em isenções bilionárias, o Supremo Tribunal Federal afirmou ser constitucional a redução das suas alíquotas, pouco importando o impacto nas contas municipais e estaduais, pois tratam-se de impostos de competência da União, muito embora de receita compartilhada (RE 705.423, julgado em 2016). Para o STF, os municípios e os Estados só têm direito a um percentual daquilo que foi arrecadado. Portanto, se não houve arrecadação, não há o direito à participação. Igual sorte haverá no caso da CIDE-Combustíveis acaso seja judicializado.

Com isso, a União intensifica a cobrança nas contribuições que mais arrecadam, PIS e COFINS, nada diminuindo na sua incidência sobre os combustíveis, até porque toda a sua receita só tem um destino: os cofres federais.

Agindo assim, desfigura-se mais uma vez a federação brasileira, e a propalada autonomia financeira dos entes federativos, prevista na Constituição Federal, aos poucos resta mitigada por medidas que concentram os recursos financeiros na União, e o pouco que é repartido com Estados e Municípios torna-se justamente o alvo da União para a prática de políticas desonerativas.

* Dr. Harrison Leite é professor de Direito Tributário na Faculdade de Direito da Ufba


  • 19 de agosto de 2019 | 18:45


  • 3 de agosto de 2019 | 21:39


  • 3 de agosto de 2019 | 21:32

  • HOTEL HERCÍLIA PACHECO
    25 de março de 2019 | 22:23


  • 19 de março de 2019 | 12:52


  • 19 de março de 2019 | 12:38

    Resultado de imagem para sitio itororo


  • 7 de dezembro de 2018 | 00:58


  • 8 de novembro de 2018 | 20:34


  • 21 de agosto de 2018 | 23:34


  • 21 de agosto de 2018 | 23:32

  • RSSArquivo de Quentinhas & Boas »


WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
error: Cópia não Autorizada - Sudoeste Hoje!