Haroldo Lima, diretor da ANP, nega denúncias e chama repórter de ‘desqualificado’

O diretor da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), Haroldo Lima, classificou a revista Época, que esta semana encarta em sua capa a reportagem “Agência Nacional da Propina”, de “impressa marrom”. Em entrevista ao Bahia Notícias, o comunista disse ainda que o jornalista Diego Escosteguy, que assina o texto que descreve um suposto esquema de corrupção, apontado pela advogada Vanuza Sampaio, de “desclassificado”. “São falsidades das mais berrantes que se possa imaginar. A Época se coloca, com essa matéria, como ‘imprensa marrom’. O rapaz que assina aquele texto é um desqualificado. Veja você que a essência da matéria era o fato de que duas pessoas, que seriam dois assessores da ANP, teriam ganhado R$ 40 mil em cobrança de propina, mas essas duas pessoas nunca foram assessores da ANP e nunca sequer trabalharam na ANP. Um é um procurador-geral da República (Antonio José Moreira) e o outro era um estagiário da Procuradoria (Daniel de Carvalho Lima), que depois foi contratado por uma empresa que tinha contrato com a ANP”, relatou. BN