Embora algumas pessoas tentem rebater as críticas sobre a depredação da Praça da Bíblia, alegando a questão do desemprego e supostos ‘direitos’ dos camelôs, uma coisa nada tem a ver com a outra. A depredação do citado logradouro público é vergonhosa e não pode ser justificada sob este pretexto, pois a atividade de camelô em Itapetinga vem sendo exercida em todos os cantos do centro da cidade, menos naquele barracão esculhambado e cafona que o prefeito instalou na praça da Bíblia.  Lá só fica a vendedora de frutas.