Através de manobras regimentais e discursos inflamados, vareadores da oposição conseguiram adiar, mais uma vez, a aprovação do reajuste dos salários dos professores, gratificações para os não docentes e atualização do Auxílio Alimentação (Le Card) para os servidores efetivos do município.

A proposta enviada pelo prefeito, através de dois projetos de lei, é de reajustar os salários dos professores efetivos em 12,82, além da concessão de gratificação de um salário extra para os não docentes e atualização do Le Card para R$ 270 reais, o que representa um ganho importante para esses servidores, segundo a liderança do prefeito na casa e vereadores da base.

Entretanto, os vereadores Tiquinho, Sibele Nery e Valdeir apresentaram emendas parlamentares modificando os valores das gratificações, consideradas inconstitucionais por todas as comissões da câmara, o que desagradou os seus autores e uma pequena plateia ligada à APLB, que gritava e causava tumulto no plenário, durante a sessão desta quarta-feira (10).

Alguns discursos dos vereadores da oposição foram considerados muito agressivos, proporcionando uma cena lamentável e desnecessária, que deveria e poderia ser evitada, em respeito à Casa Legislativa.

Em razão das manobras protelatórias da oposição, o tempo da sessão se esgotou sem que os projetos fossem aprovados em segundo turno, adiando mais uma vez o pagamento do reajuste aos professores, gratificações aos não docentes e atualização do Auxilio Alimentação, aguardados com ansiedade pelos servidores.

Fazer o que?

Por Davi Ferraz