A Justiça absolveu Adélio Bispo de Oliveira na ação penal referente à facada no então candidato à Presidência, Jair Bolsonaro (PSL). A decisão foi tomada nesta sexta-feira (14), pelo juiz federal Bruno Savino, de Juiz de Fora (MG). Ele converteu a prisão preventiva em internação provisória. Adélio, que foi considerado inimputável, segue detido na Penitenciária Federal de Segurança Máxima de Campo Grande (MS).

“Sendo a inimputabilidade excludente da culpabilidade, a conduta do réu, embora típica e anti jurídica, não pode ser punida por não ser juridicamente reprovável, já que o réu é acometido de doença mental que lhe suprimiu a capacidade de compreender o caráter ilícito do fato e de se determinar de acordo com este conhecimento.”, anotou o magistrado.

Conforme o magistrado, o resultado da perícia apontou que o acusado é portador de Transtorno Delirante Persistente. Ele classifica este ponto, então, como responsável pela conduta criminosa. Na sentença, Adélio chegou a ser condenado a 20 anos de prisão, no entanto, ficará recolhido em uma unidade de saúde mental.