Acesse o Sudoeste Hoje via Mobile em qualquer lugar!
  • pesado: A inveja mata. Não importa quem trouxe o empreendimento para aqui, o importante é que venha mais e mais e...
  • pesado: A inveja mata. Não importa quem trouxe o empreendimento para aqui, o importante é que venha mais e mais e...
  • Bia: isso que é o governo com G de gente.
  • Rosana Loureiro Damasceno: Realmente um absurdo, pois do jeito que está os motoristas ficam sujeitos a acidentes,...
  • Fernando: Diz que o(s) prefeito(s) de itapetinga e região tem que implorar para que o governo do estado faça...
  • Silviomar F Viana: Quando for enagurar a prefeitura deve dá uma festa por que tá virando obra política
  • Anonimo: Quem tá construído e a prefeitura
  • fafa: davi esse cara e oportunista no ganha pra nada e esse diga diga e a mesma merda dele no ganha tmb nao tudo...
  • Anonymous: Estava sendo divulgado na imprensa o valor que cada cidade terá direito com o leilão do pré sal , uma...
  • elenice dos santos: por favor quero saber onde deixar o curriculo
  • marta: so vai fica 5 vereadores nara ze antues tarugao bahia joao de deus e rodrigo ta ganho de novo
  • Moises: ITAPETINGA também poderia adotar as atuais estão horríveis.
  • MAURÍCIO GOMES DA SILVA: Parabéns, Alfredo Cabral! Marcos Correia é uma grande aquisição para o PSD em Itapetinga.
  • Zé de biu: Juracy e Paulo da Geladeira poca urna.
  • Ana Paula Araujo: Como eu faço pra pra mim trabalhar com vcs
leitores online


PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ITAPETINGA: PERCURSOS E DISCURSOS

pme

Prof. Dr. Reginaldo Santos Pereira

UESB, campus de Itapetinga

Na última semana, foi encaminhado pelo poder executivo, para apreciação e votação na Câmara de Vereadores, o Plano Municipal de Educação (PME) de Itapetinga. O PME é um documento que traça um diagnóstico da situação educacional do município e apresenta as metas e estratégias para a educação nos próximos 10 anos. O PME busca atender as exigências previstas em lei a partir da aprovação do Plano Nacional de Educação – PNE (Lei 13.005, de 25 de junho de 2014). Um dos seus princípios é orientar as políticas públicas para educação e deve ser compreendido como um Plano de Estado e não de governo e, cabe à sociedade civil organizada monitorar suas metas e estratégias com vistas a garantir a qualidade social da educação em nossa cidade.

pme1

Destaca-se que no processo de construção do PME em Itapetinga, capitaneado pela Secretaria Municipal de Educação e a Comissão responsável, foi profícua a participação de diversos setores da comunidade, em especial, as(os) professoras(es) da rede pública municipal, APLB Sindicato, Conselho Municipal de Educação, Conselho Municipal do FUNDEB e professoras(es) do curso de Pedagogia da UESB, especificamente, quando da realização das Audiências Públicas nos dias 22 e 25 de maio de 2015.

rezende-500x163

Pautado nos princípios de uma construção coletiva, consideramos precípuo para o PME de Itapetinga nos próximos anos alguns desafios emergentes a serem enfrentados e solucionados: a) a universalização do atendimento da educação infantil; b) superação das distorções série-idade nos anos iniciais do ensino fundamental e a progressiva erradicação do analfabetismo; c) melhoria da qualidade social da educação básica; d) a inserção do modelo de escola de tempo integral; e) a efetiva valorização das(os) profissionais da educação, garantindo-lhes remuneração digna, carreira, formação científica (mestrado e doutorado) e continuada, bem como melhoria das condições de trabalho, dentre outros.

No processo de tramitação do PME do executivo para o legislativo pudemos acompanhar uma ebulição de críticas de setores da cidade, em especial, de parte da comunidade católica e protestante em torno das temáticas de gênero e sexualidade presentes no plano. A partir da gravação de um áudio sem identificação de autoria, o qual circulou pelas redes sociais, e a divulgação de uma cartilha de cunho religioso sobre “ideologia de gênero”, gerou-se uma polêmica em torno da questão, sob a justificativa de que o PME feria os princípios da família itapetinguense. Vale questionar: de qual modelo de família fez-se a defesa? O modelo hegemônico nuclear heterossexual? Monoparental? Homossexual? Quais interesses políticos, morais e religiosos motivaram a adesão da maior parte dos edis do legislativo itapetinguense à incorporação desse discurso?

O que acompanhamos nesse percurso, fora a evidência do desconhecimento, senso comum e ausência de base científica às temáticas de gênero e sexualidade no campo da educação. O foco equivocado no debate sobre “ideologia de gênero” extirpou a possibilidade de uma reflexão mais profícua em torno das principais metas e estratégias que pensamos e almejamos para a educação municipal nos próximos dez anos.

É válido esclarecer que inexiste nos estudos de gênero sejam eles nacionais ou internacionais o termo “ideologia de gênero”. Ao longo da vida, através das diversas práticas e instituições sociais nos constituímos como homens e mulheres e as diferenças são produzidas em contextos históricos e espaciais distintos. De acordo com a pesquisadora Guacira Lopes Louro (2010), o gênero é constituinte da identidade dos sujeitos. Seu conceito engloba todas as formas de construção social, cultural e linguísticas implicadas com os processos que diferenciam mulheres de homens.

As questões de gênero são amplas e envolvem também as diferenças produzidas histórica e hierarquicamente entre homens e mulheres: na representação política, ocupação das profissões, remuneração, nos referenciais históricos e científicos. O debate também é de ordem discursiva e está no ato da linguagem, na nomeação exclusivista do masculino. Não é a escola que determinará o gênero ou opção sexual da criança, adolescente, jovem ou adulto. A escola não substituirá o papel da família ou assumirá suas responsabilidades, mas, pelo contrário, colaborará para incentivar o respeito às diferenças e evitar a discriminação e violência aos adolescentes e jovens que não se enquadram na heteronormatividade de nossa sociedade patriarcal.

O que desejamos nós pesquisadores(as) e educadores(as) com a temática de gênero e sexualidade no processo formativo em nossas escolas? Substituir o papel da família? Determinar quem vai ser menino ou menina, homem ou mulher, heterossexual, bissexual, homossexual ou transsexual? A escola é o espaço da pluralidade, do acolhimento e da inclusão, é o espaço do debate, reflexão e formação dos cidadãos, a escola é um espaço generificado (LOURO, 2000) e a tarefa de educar para a diversidade e entender a complexidade dos processos de constituição das identidades culturais dos sujeitos ela não deve se furtar.

Desta forma, não podemos esquecer o princípio constitucional (Artigo 3°, Inciso IV), que a nosso ver também cabe à escola perseguir: “promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação”, afinal, ela é uma instituição social, heterogênea e deve acolher e incluir todas as crianças, adolescentes, jovens e adultos.

Durante a votação do PME no legislativo, no dia 18/06, ouvimos de um vereador: “O povo de Deus venceu”, em referência à vitória da “família itapetinguense” com a retirada dos termos gênero, sexualidade e (também absurdamente) transversalidade do PME. Discordando desta assertiva, acredito que a educação de Itapetinga perdeu. Contudo, ressaltamos que as questões de gênero e orientação sexual continuarão reverberando os discursos e práticas dentro e fora das instituições, nas famílias, escolas, universidades e, nós, educadores(as), pesquisadores(as) e militantes dos movimentos sociais continuaremos a luta para construção de uma escola mais democrática e aberta às diferenças e às diversidades de gênero e sexual.

Após a aprovação do PME e a visível emergência das contradições discursivas produzidas em nome da “família”, uma nova etapa será inaugurada a partir da instalação do Fórum Municipal de Educação, o qual prevê a representação de 27 representantes da sociedade civil com o objetivo de monitorar as ações do Plano independente de governo ou sigla partidária. Aguardamos ansiosamente a participação da “família” e do “povo de Deus” para vencermos os obstáculos que ora entravam a qualidade da educação em nosso município.

6 respostas para “PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ITAPETINGA: PERCURSOS E DISCURSOS”

  • Anônimo says:

    Se foi tão útil a participação, inclusive da UESB, na elaboração do plano devemos creditar a essa instituição, a inclusão da ideologia de gênero ao PME?

  • Marta Santos says:

    Escrever bonito com sintuoso vocabulario nada mais é impor que as unicas pessoas que “pensam” ou que detém o conhecimento são os Educadores? As ” famílias a sociedade também pensa e tem entendimento do que quer para seus filhos nessa sociedade cheia de neologismo mas pobre em estrutura e base para a formação individual.Deixar os nossos filhos entregues a esse neologismo desvairada seremo cumplices do falecimento humano.

  • Jose says:

    Se vc senhora Marta Santos não acredita na educação vinda atraves de quem esta de dentro do processo de formação, quem vive a realidade de esta em sala com mais 25 alunos sem a remuneração devida sem a educação vinda de casa dos alunos pq vc é mais uma q transfere a educação de casa para o professor vai educar alfabetizar seu filho em casa ou melhor vai pra Marte… sem mais delongas …

  • Jaqueline Reis says:

    KKKKK
    TUDO NESTA CIDADE VIROU UM CIRCO!! O JEITO É RIR!!
    SÒ NÃO SEI SE OS PALHAÇOS SÃO ELES OU NÓS!!
    KKKKKKKK

  • Pedro says:

    Em um fragmento do Texto o autor fala que a “educação de Itapetinga perdeu… ” como se a derrota da educação ocorreu hoje, ha muito tempo a educação vem sendo massacrada por políticos e grupos sob a alcunha da pedagogia(ciência de floreios que não acrescenta nada ao país, somente discussinhos medíocres) quando a escola tiver o mínimo de estrutura física, professores, carteiras em bom estado, carga horária cumprida a risca, disciplina, aí sim poderemos discutir outros assuntos. Pelo contrário é fazer da escola espaço de doutrinação de ideologias.

  • Marizete Matos says:

    O Plano Municipal de Educação pode estar sendo bem elaborado, bem intencionado, os educadores poderão ter formação como mestres e doutores, porém, se não houver estrutura física, educação social e doméstica, como exemplo na nossa sociedade, lamento informar-lhes,fracassaremos. Pois, a educação acadêmica isolada, não funciona, necessita-se de um conjunto social, de métodos apropriados, vivenciados e exemplificados, com vínculos amalgamados, para nos tornarmos cidadãos cultos literalmente falando.

Deixe seu comentário


  • 8 de outubro de 2019 | 20:24


  • 8 de outubro de 2019 | 20:02


  • 8 de outubro de 2019 | 09:39

    ITAPETINGA E REGIÃO


  • 19 de agosto de 2019 | 18:45


  • 3 de agosto de 2019 | 21:32

  • HOTEL HERCÍLIA PACHECO
    25 de março de 2019 | 22:23


  • 19 de março de 2019 | 12:52


  • 19 de março de 2019 | 12:38

    Resultado de imagem para sitio itororo


  • 7 de dezembro de 2018 | 00:58


  • 8 de novembro de 2018 | 20:34

  • RSSArquivo de Quentinhas & Boas »


WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
error: Cópia não Autorizada - Sudoeste Hoje!