ITAPETINGA: Em ano eleitoral, a opinião pública em relação aos dirigentes e representantes políticos é fundamental. Quem estiver de bem com a população, tem mais chances de dar aos seus candidatos uma votação mais expressiva, ao passo que aqueles não estão de bem com o povo, tendem a amargar decepções e derrotas. Embora desgastados e com a popularidade em baixa, alguns políticos insistem em atribuir aos seus fracassos eleitorais, outros fatores, como a “incompreensão” do eleitorado, “trairágem”, fraudes, etc.

No atual quadro político de Itapetinga, quem corre um sério risco de amargar uma escachapante derrota política é o prefeito José Carlos Moura. Embora tenha estruturado toda a sua base política na máquina administratica da prefeitura, a sua administração é medíocre, desorganizada e permeada de todo tipo de denúncias de irregularidades, tornando-se um fator desfavorável para as pretensões eleitorais dos candidatos por ele apoiados.

Não há, no governo municipal, continuidade administrativa, uma vez que toda a estratégia da administração é pautada em ações esporádicas, sem nenhum impacto político positivo. As poucas obras em andamento, fazem parte de programas do governo federal, como o “Minha Casa, Minha Vida” e o UPA, cujo mérido vai ser creditado, certamente, ao presidente Lula e sua pupila Dilma Roussef. Obras do governo do estado por estas bandas, nem pensar, o que coloca o governador Wagner numa condição incômoda de 2º ou 3º colocado na preferência do eleitorado local.

Corre, entretanto, a favor do prefeito Zé Carlos e seus candidatos, a fraqueza dos seus adversários, principalmente do PMDB, cuja representante, a deputada Virginia Hagge, tomou chá de sumiço, deixando os apaixonados ‘gabirabas’ na rua da amargura. Assim, sobra espaço para as outras facções, cujos candidatos podem até surpreender, por absoluta incompetência das principais lideranças locais.

Mesmo assim, arrisco a dizer que a impopularidade do prefeito vai pesar muito mais do que a fraqueza e omissão dos seus principais adversários, pois não é dificil notar o espírito de revanche que domina a população, decepcionada com os rumos tomados pela administração do prefeito Zé Carlos. Se prevalecer este sentimento, não vai ficar pedra sobre pedra.

Davi Ferraz