Acidentes aumentam na proporção em que cresce o número de motos

O crescimento do número de motocicletas em circulação no Brasil foi tema de matéria da Folha de São Paulo há uma semana e volta a ser discutido, pela mesma publicação, no editorial de hoje (clique AQUI se for assinante). Provoca uma reflexão necessária.

Em 2001, apenas 26% das cidades brasileiras tinham mais motos do que carros. Hoje, os veículos de duas rodas são maioria em 46% das cidades. Segundo apuração da Folha, em 2005 havia 7,4 milhões de motocicletas, enquanto atualmente elas já são 15,3 milhões, numa variação de 105% em cinco anos!

Infelizmente, parte da consequência desse crescimento está na elevação da demanda para os coveiros. No ano de 1996, o Brasil registrou 725 motociclistas mortos contra 8 mil no ano passado (aproximadamente 22 óbitos por dia). Para combater o que o jornal define bem como uma “estupidez alarmante”, aponta-se a necessidade de punir com rigor as infrações e abusos de motociclistas e investir em um transporte público eficiente.

Não se pode desconhecer as vantagens das motocicletas, mas a irresponsabilidade reiterada,em combinação com a falta de políticas públicas, faz com que esses veículos continuem sendo o meio de transporte mais rápido para o cemitério. Pimenta