A Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro rejeitou nesta quinta-feira (3), por  25 votos a 22, a abertura do processo de impeachment contra o prefeito da cidade, Marcello Crivella (Republicanos) por improbidade administrativa no uso de funcionários da prefeitura para cerceamento da imprensa em frente a hospitais.

Dois pedidos de impeachment foram protocolados na última terça-feira (1º) após a TV Globo revelar que o grupo denominado “Guardiões do Crivella”, no WhatsApp, atuava para atrapalhar a imprensa e impedir depoimento dos usuários da rede pública de saúde. Membros deste grupo são funcionários da prefeitura, portanto, empregados com dinheiro público.

Destaque para o filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos) votou contra a abertura do impeachment.