Lei n° 14032 de 18 de dezembro de 2018, aprovada recentemente pela AL-BA, determina dedicação exclusiva para os profissionais dos colégios do Estado. 

Um ato publico está marcado para acontecer na próxima sexta-feira (11), às 8h, na frente do prédio da Governadoria, no Centro Administrativo da Bahia (CAB), em Salvador.

Os diretores e vice-diretores da rede estadual analisam pedir exoneração coletiva para protestar contra a Lei n° 14032 de 18 de dezembro de 2018, que determina dedicação exclusiva para os profissionais dos colégios do Estado.

Caso isso ocorra, o processo de matrícula e o início do ano letivo ficariam comprometidos. Até o momento, segundo o sindicado APLB, não houve reposta do Executivo estadual. Uma carta aberta ainda foi endereçada a população, com o objetivo de explicar a mobilização.

Na manhã de hoje (9), a direção da APLB realizou uma reunião no auditório da corporação, com os gestores de escolas da rede estadual para debater as próximas ações da categoria contra a legislação. Em debate, a categoria questiona e exige a revogação imediata da medida, além de pedir que seja estabelecido um diálogo com os gestores. As solicitações foram encaminhadas para a Secretaria da Educação do Estado da Bahia (SEC), em documento entregue no dia 27 de dezembro.