A Polícia Civil da Bahia está tentando identificar o responsável por uma postagem feita numa comunidade no Facebook, mantida pela Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab), que ofereceu US$ 700 mil (cerca de R$ 2,2 milhões) por um rim. O grupo tem 38.758 pessoas.

O caso foi denunciado pela Sesab ao Grupo Especializado de Repressão aos Crimes por Meios Eletrônicos (GME), após a coordenação de comunicação digital do órgão desativar os comentários e excluir a postagem. A secretaria divulgou um comunicado na página, relatando o ocorrido, nesta sexta-feira (9).

O comércio clandestino de tecidos, órgãos ou partes do corpo humano é crime, assim como qualquer tipo incitação à prática. Os doadores vivos precisam de autorização judicial para fazer doações. Atualmente, conforme a Sesab, 838 pessoas aguardam por transplante de rim no estado, e a taxa de solidariedade das famílias é muito baixa. Em 2017, 1.131 morreram enquanto aguardavam pelo órgão.

O post foi feito por um usuário que usa o nome de Craig Jonhson, que, conforme a polícia, seria supostamente da Nigéria, no dia 3 de março. Outro usuário, que seria do Brasil, comentou a publicação, se mostrando interessado à vender o órgão e ainda disponibilizou um email para contato.